Close

Dicas e novidades

23 de fevereiro de 2021

Construtoras inovam para acompanhar padrão de consumo alagoano

Os empreendimentos atendem tanto ao mercado de locação quanto ao setor de turismo

(CBN Recife)

O novo consumidor de imóveis deixou de lado o aspecto de “especulativo” para tornar-se um investidor que visa adquirir bens duráveis e fazer disso um valor agregado para engordar sua renda. O escritor Philip Kotler já dizia em seu livro ”Marketing 3.0”, que as pessoas estavam mudando a forma de comprar. A facilidade da internet, a quantidade grande de aplicativos de locação, compra e venda facilitou a vida do que no setor imobiliário e de construção passou a denominar de “consumidor 3.0”.

Tal movimento vem crescendo nos últimos cinco anos, principalmente, depois do boom imobiliário da década passada. Grandes e médias construtoras alagoanas já perceberam essa mudança e estão investindo  e especializando parte de seu portfólio em unidades mais compactas e com potencial de rentabilidade maior.

Para o presidente do Sinduscon, Alfredo Brêda, a tendência de modelos híbridos e compactos veio para ficar. “São empreendimentos de alto padrão, que atendem também  o setor de turismo, que cresce muito em nosso Estado”, avaliou. Sua empresa Telesil Engenharia estuda a possibilidade de investir também nesse perfil, mas somente a partir de 2022.

Em Alagoas, quem saiu na frente foram os empresários  da Colil Construções e a construtora RPontes. Há 42 anos no mercado, a Colil, empresa familiar fundada pelo empresário Gilson Calheiros e atualmente liderada pelo empresário Hugo Dâmaso,  aposta neste novo perfil de investidor não especulativo e “importou” modelos de negócios já consolidados em São Paulo e em Miami (EUA): o modelo híbrido.

Modelo híbrido 

No modelo híbrido, o dono do imóvel pode optar em fazer a locação tanto por diária como por mensalidade, com a cobrança de taxas condominiais bem abaixo do mercado, o que vai depender das escolhas dos serviços por seus clientes.

Nessa linha, a Colil já tem dois empreendimentos: o Time, construído em 2018,  e feito exclusivamente para locação e, no final de fevereiro, deve lançar o New Time, com previsão de entrega para 2023.

Os imóveis podem ser confundidos como flats, mas na essência são bem diferentes. “O modelo é uma evolução do flat. Todos os serviços funcionam sob demanda como arrumação, lavanderia, locação de equipamentos. Isso baixa o custo para quem está alugando. É uma opção de estadia flexível, e pode ser uma excelente opção para quem está viajando. Pela sua flexibilidade, pode “surfar” em qualquer onda”, disse referindo-se a eventuais períodos sazonais de baixa ou alta temporada”, explicou o executivo Hugo Dâmaso.

Segundo ele, o novo modelo de locação compete de frente com os hotéis. Mas Dâmaso não avalia como negativo essa disputa de mercado. “Ao contrário, oferecemos uma alternativa de conforto, próximo à área da praia, com um custo 40% menor que uma diária de hotel, em Maceió”.

Na avaliação do presidente da Associação Brasileira de Hotéis em (ABIHAL) em Alagoas,  André Santos, tal conceito híbrido de acomodação gera uma concorrência desleal frente ao setor de hospedagem formal. “Há uma brecha na legislação que precisa ser resolvida. Não é justo que o setor hoteleiro pague seus impostos federal, estadual e municipal e esses empreendimentos não contribuam também.  A culpa não é deles. É um problema legislativo que precisa de uma solução” disse.

Tecnologia 

Outro diferencial do modelo híbrido é com relação à tecnologia. Tudo é escolhido na palma da mão por meio de aplicativo e QR Code. “O cliente recebe sua senha particular para ter acesso a todos os serviços, além de desfrutar de alta qualidade no acabamento, área de lazer”, exemplifica Dâmaso.

A RPontes, há 33 anos no mercado, também vem investindo em novos empreendimentos com esse conceito, com previsão de entrega para o primeiro semestre de 2022. Nesse perfil, lançou recentemente o Sky Concept, com unidades de 25m² a  74m², e opções de studios no bairro de Jatiúca, no coração da capital alagoana. Com tecnologia de ponta, quem adquirir também pode optar por locação ou moradia. Para quem locar o imóvel, os serviços também são sob demanda, a depender do gosto de cada consumidor.

O empreendimento focou em consumidores que defendem o conceito mais urbano para moradia ou locação por temporada. A utilização da tecnologia também é um dos pontos que agregam valor para quem investir ou estiver alugando por temporada. Dessa forma, o valor do condomínio não é rígido.

“Diríamos que é uma evolução do app Airbnb. No Sky Concept não vamos atrelar os investidores a uma taxa de administração, sem falar na flexibilidade e conforto bem próximo à praia, ao comércio, uma localização privilegiada, com custo bem menor que os praticados no mercado de locação para imóveis compactos”, avalia o diretor presidente Roberto Leite Pontes.

Para a sócia e gerente de Marketing da empresa, Fernanda Pontes, o conceito do Sky Concept está evoluindo para outros empreendimentos da construtora em Maceió, que prevê para 2022, o lançamento de outra linha, o Summit, com unidades construídas em módulos  entre 20m² a mais, a depender da escolha do comprador. “Acreditamos que a nova geração de investidores está procurando uma maneira de ter mais rentabilidade, e investir seu dinheiro em aplicações que tenham renda maior do que as praticadas pelo mercado financeiro”, pontuou.

Crescimento 

Acompanhando o crescimento das vendas registradas no ano passado, tanto a Colil  como a RPontes estão bem otimistas com o mercado da construção civil e imobiliário para 2021, mesmo com a pandemia. Em 2020, a Colil viu seu faturamento crescer 40%. Grande parte desse movimento positivo aconteceu em quase todas as empresas alagoanas, segundo Dâmaso, puxado principalmente pelo baixo valor da taxa de juros.

“O investidor verificou que não valia a pena continuar suas aplicações financeiras na poupança ou em outro tipo de investimento. Se antes compravam a prazo, a maioria fez a aquisição dos imóveis à vista. Isso capitalizou as empresas e fez reduzir os estoques”, disse ele.

O executivo Roberto Pontes vai na mesma linha de otimismo de Dâmaso. A construtora prevê que 2021 será um ano bem melhor para os setores, muito impulsionado pelo crescimento do Turismo em Alagoas. “A pandemia trouxe aprendizados e oportunidades. Uma empresa segura e com credibilidade no mercado com certeza vai passar esse período de maneira segura e entregando em tempo hábil seus contratos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *